sábado, 11 de junho de 2011

Derrotas e vitórias eleitorais - a democracia tem razões...


     As eleições legislativas de 5 de junho deram uma derrota muito evidente a José Sócrates, secretário geral do PS, que se demitiu minutos depois de serem conhecidos os resultados.
  A aversão a José Sócrates foi crescendo com o decorrer dos anos de poder e, penso, só pelo facto de não haver um líder minimamente credível no PSD nas eleições de 2009, o PS ganhou e José Sócrates continuou no poder.
  A crise económica, o endividamento excessivo, os gastos públicos, a corrupção tiveram um peso importante. Uma alternativa governamental deu esperanças de novas soluções ou, pelo menos, de obrigar a repensar alguns esquemas viciados, algumas opções duvidosas.
  No entanto, penso que, se José Sócrates não tivesse sido reeleito secretário geral do PS no último congresso, os resultados das eleições legislativas poderiam ter sido diferentes. O ódio a Sócrates e a alguns dos seus tentáculos poderosos (Silva Pereira, Santos Silva, ...) teve razões para além da crise económica. Sócrates apresentou-se sempre demasiado arrogante, teatral e distante. Parecia realmente um ator, sempre a representar o papel  de César, a debitar um discurso que cheirava progressivamente mais a irrealista e artificial. As «mentiras» a que o povo se referia deviam-se às mudanças contínuas na economia europeia, mas também ao estilo ultraconfiante e embalador de José Sócrates.
  A democracia afasta as prepotências e destrói as arrogâncias. Em democracia não há mal que sempre dure... Nem o que estava nem o que virá! Os fanáticos e os facciosos da esquerda e da direita existem em democracia e têm o seu lugar. Mas, louvada seja a democracia!, o bom senso costuma vencer.


1 comentário: