segunda-feira, 30 de maio de 2011

A ÁRVORE DA VIDA, de Terrence Malick - uma religiosidade conhecida, mas sempre esquecida




   Uma família texana dos anos 50. A morte de um filho de 19 anos, possivelmente na Guerra do Vietname. E a urgência desesperada de obter uma explicação, uma justificação.
  O Livro de Job, do Velho Testamento, Deus que tudo dá e tudo tira, a origem do Universo, da vida, o movimento incessante de todas as coisas, a transformação implacável, a família, o nascimento dos filhos, a renovação - o mistério da vida e a morte!
  Terrence Malick confronta-nos com a dor do crescimento, a «guerra» dos afetos no seio de uma família, a violência dos estereótipos da educação, o sofrimento que os seres humanos que se amam causam uns aos outros quer por pulsões primárias, quer por convenções sociais irrisórias.
  Para quê a rigidez, a dureza com que as pessoas se organizam em sociedades, nas famílias? A fragilidade de todas as coisas do Universo e da vida é irremediável!
  O Livro de Job lidera as interrogações do filme.E o século XXI tem mostrado a profundidade e a verdade dessas palavras. A humildade perante a vida e o Universo deve ser a atitude, o posicionamento do ser humano - essa é a religiosidade a que o filme nos convida e que acaba por nos impregnar.



quinta-feira, 26 de maio de 2011

A fotógrafa Jamie Beck: cinemagraphs e fotografias


  A fotógrafa novaiorquina Jamie Beck inventou uma nova forma de fazer fotografia.
Misturando o filme com a fotografia, começou a produzir fotografias com movimento, fazendo salientar os elementos da imagem que mais beleza e realismo lhe podem transmitir.
  Jamie Beck é uma magnífica fotógrafa. Não são apenas os cinemagraphs (que circulam na internet para abrir as bocas de espanto), mas todo o seu trabalho fotográfico de pesquisa e experimentação me parece digno de muita atenção e reconhecimento. O seu blogue http://fromme-toyou.tumblr.com/
merece ser visitado e admirado.
  Publico alguns cinemagraphs e fotografias que achei muito interessantes:


Jamie Beck cenouras


Jamie Beck copo de refresco



Jamie Beck vinho para o copo



Jamie Beck saia que mexe e sapatos azuis


Jamie Beck menina de folho branco ao vento


sexta-feira, 20 de maio de 2011

Conferência-bomba em CIDADE aTRAVESSA (poesia dos lugares)

   Nos dias 18 e 19 de maio, teve lugar, na Casa Fernando Pessoa, em Lisboa, o evento Cidade aTravessa (poesia dos lugares), um evento que reúne poetas de vários países e que, pela primeira vez, se realizou em Portugal, embora vá na sua décima primeira edição.
  O objetivo destes eventos é reunir «vertentes poéticas atuais» de diversas partes do mundo e apresentá-las a um público aberto. Neste evento, participaram poetas do Brasil, Itália, México, Holanda, França, Portugal, entre outros.



  Ontem, uma Conferência-bomba, realizada por Graça Capinha (Portugal) e Arie Pos (Holanda), «Cartografia dos redutos na poesia portuguesa, traçada por dentro e por fora», apresentou resultados de uma investigação que revela o grande desconhecimento da maior parte da poesia que se faz em Portugal pelo país fora (capital e província), em papel ou eletrónica (blogues), permitindo a valorização continuada de uma mesma espécie de poesia, a dos autores consagrados - Camões, Pessoa, e os outros que lhes vão no encalço. O trabalho de investigação «Novas Poéticas de Resistência do século XXI em Portugal» (brevemente on-line) mostra como se organizam os concursos literários em Portugal, sempre com os mesmos membros dos júris, premiando sempre o mesmo tipo de poesia e os poetas que poderão render no mercado editorial (por várias razões, obviamente). Também neste setor, parece haver o afamado «tráfico de influências». Aconselho a leitura do relatório (organizado pela Dr.ª Graça Capinha) - eu tenciono lê-lo.



   Seguiu-se leitura de poemas pelos seus autores, os poetas Ana Maria Ramiro (Brasil), Guilherme Zarvos (Brasil) e João Rasteiro (Portugal/Coimbra). Bons poemas e bons poetas seguramente!
   Assisti também à projeção do filme Cidade Reposta, de Márcio- André, um muito interessante e poético documentário sobre a cidade.



domingo, 15 de maio de 2011

WORLD PRESS PHOTO 11 - imagens trágicas e outras inesperadas deste planeta

 A exposição de fotografia WORLD PRESS PHOTO 11 encontra-se até ao dia 22 de maio no Museu da Eletricidade, em Lisboa. Trata-se de um extraordinária exposição de fotografias de acontecimentos e situações que ocorreram no mundo no último ano. Num planeta em que grandes tragédias aconteceram, não podemos estranhar alguns horrores que aquelas imagens revelam. Mas outras imagens espantosas e ternas nos esperam nesta exposição.





























quinta-feira, 12 de maio de 2011

A TROIKA Bang! Bang! - QUEM DEVE MUDAR DE VIDA??



     A TROIKA(Comissão Europeia, FMI e BCE) apresentou no passado dia 4 de Maio o programa para Portugal nos próximos 3 anos (2011/2013) resultado das negociações com o partido no Governo (PS) e com os dois partidos candidatos a governo (PSD e CDS). (O BE e o PC demarcaram-se das negociações com a Troika e colocam-se cada vez mais num mundo imaginário, com críticas e propostas que caiem no vazio).
  O programa da Troika exige obviamente a redução do défice para que seja concedida a ajuda económica. (Claro que neste mundo de especuladores trafulhas não se pode ter défices nem acreditar em sonhos de União Europeia!!, estou plenamente de acordo. E acho que todos os esforços devem ser centrados em acabar com as dívidas, e fugir dos «mercados» e das «agências de rating».)  E para reduzir o défice - BANG! BANG! - cortes e mais cortes, tiros por todo o lado! Nas pensões, nos benefícios de saúde, nas admissões na Função Pública, nas deduções fiscais, nos subsídios de desemprego, no número de municípios e de freguesias, nos serviços da Administração Pública, etc., etc., etc. - cortes e aumentos dos impostos IRS, IVA, IRC... 
 Verdade se diga que havia alguns anos que me vinha espantando com a riqueza deste país - tanta obra pública (sempre as melhores do mundo), tantos Centros Comerciais, tanta fundação (na minha opinião, a Fundação Berardo destruiu o CCB, o espólio do Berardo já não sabe que mais voltas há-de dar e nós não conseguimos ver mais nada!), tantos prémios para gestores das empresas públicas e público-privadas, tantos automóveis de luxo para as chefias dessas mesmas empresas, tanto Secretário de Estado, tanto Ministro, tanto... tanto...
  E agora a ordem é MUDAR DE VIDA! QUEM?? QUEM tem que mudar de vida? Acabam as almoçaradas e jantaradas dos políticos pagas com os dinheiros públicos, acabam os automóveis de luxo e motoristas de políticos, gestores, chefias, etc., acabam os prémios dos «boys» e demais «amiguinhos», acabam as exorbitâncias e os luxos das obras públicas (escolas com luxos desnecessários, novos museus que ninguém entende, autoestradas supernumerárias, etc., etc....), acabam as rendas astronómicas para a Mota Engil, a Lusoponte, a Parque Escolar, a Parque Expo, etc., etc.?? Ou não acaba nada e quem tem que mudar de vida é quem sempre viveu de salários limitados, de aumentos de vencimentos a conta-gotas, de estrangulamentos de IRS e Iva, aqueles que desde sempre vivem a contar os cêntimos??
   Vou gostar de ver QUEM vai mudar de vida neste país!!
   INDIGNAI-VOS, sim, com sentimento e com ação!!

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Bin Laden morto,«Bin Laden» posto?

   Uma unidade das Seal Team Six, força dos EUA vocacionada para a ação antiterrorista e que tem por missão  executar operações secretas, tomou  de assalto uma residência na periferia da cidade de Abbottabad, no Paquistão, e matou Osama Bin Laden, o líder da Al-Qaeda, inimigo número um dos EUA após os atentados de 11 de setembro às Torres Gémeas em Nova Iorque e ao Pentágono.
  Nos EUA, muitas pessoas festejaram, foi a vitória da caça ao assassino que vinha sendo perseguido desde 2001 e a vingança, porventura pessoal, porventura coletiva e irracional.
  Na linha da tradição texana de caça aos grandes pistoleiros assassinos, os Billy the Kids americanos, ou aos líderes índios, como o último dos guerreiros apache, Geronimo, (a operação dos Seal chamou-se «Geronimo»), G. W. Bush tinha como principal objetivo capturar «vivo ou morto» Bin Laden e Barack Obama, o Nobel da Paz de 2009, ordenou e seguiu em direto a operação final, anunciando ao mundo, na noite do passado dia 1 de Maio, que tinha sido feita justiça e que o seu dever estava cumprido.
  Nós, os europeus, abominamos os ataques terroristas da Al-Qaeda, o fundamentalismo desenfreado e paranóico dos talibãs, dos bombistas-suicidas, dos seguidores alienados de Bin Laden. Eu abomino! Repudiamos os extremismos a que a religião islâmica  tem conduzido, a desigualdade em relação às mulheres, o obscurantismo medieval de muitos dos seus costumes e tradições. Eu repudio! E temos, obviamente, terror das ações catastróficas que eles poderão vir a desencadear!
  Mas também rejeitámos as ações da CIA, a polícia secreta dos EUA,  no 11 de setembro do Chile de Salvador Allende, na perseguição e morte de Ernesto Che Guevara, nas perseguições a supostos comunistas durante a Guerra Fria (Ethel e Julius Rosenberg e tantos outros), etc., etc. E estamos cientes de que a chamada 3ª Grande Guerra, esta que vem sendo feita das investidas bélicas dos EUA, no Vietname, no Kuwait, no Iraque, no Afeganistão,..., e das respostas terroristas da Al-Qaeda e de outros grupos extremistas, está em curso.
  A morte de Bin Laden foi uma vitória dos EUA, mas outros líderes terroristas tomarão o lugar de Bin Laden, um Adam Yahiye Gadahn ou um Ayman Al-Zawahiri ... Esta guerra não acabou de um momento para o outro, não acabou com a morte de Bin Laden. Trata-se de uma guerra subtil, rancorosa, que se alimenta do ódio, do desgaste e do tempo. E de vingança em vingança haverá de continuar!